O retrato do Brasil em 10 anos

            O censo demográfico é a mais importante fonte de informações sobre as condições de vida da população brasileira. A parte divulgada agora refere-se ao questionário básico que foi respondido em todos os domicílios visitados. Por ser a única pesquisa que abrange os 5.507 municípios do país, é um instrumento precioso para o planejamento de todas as políticas voltadas para o bem-estar social. A conclusão desse calhamaço - são 500 páginas de informações colhidas por 200.000 recenseadores entre agosto e novembro do ano 2000 - é que o país avançou. Os 169 milhões de brasileiros registrados no Censo 2000 vivem, em linhas gerais, melhor do que se vivia em 1991. A questão é que é preciso avançar mais e mais rápido  para pôr fim à injustiça social. "É como um copo com água pela metade. Alguns dirão que está meio cheio e outros dirão que está meio vazio", resume o presidente do IBGE. De qualquer  maneira, há meio copo a ser preenchido. Trata-se de um desafio para uma década, ou duas, ou mais ainda do que isso. Mas é bom lembrar que, se dez anos é prazo curto para eliminar  problemas estruturais, é também tempo mais que suficiente para agravá-los de forma drástica. Aí está a Argentina a servir de exemplo. Em 1991, apostou todas as fichas no plano econômico que prometeu vida de Primeiro Mundo à população. Dez anos depois, o resultado é pobreza e caos em um país que sempre se orgulhou, com motivo, de suas conquistas sociais.

Lucila Soares. Veja, 26/12/2001, p. 33 (com adaptações).

Analisando as idéias explícitas e implícitas do texto, julgue o seguinte item.

A parte divulgada do censo pode ser considerada um calhamaço, uma vez que compreende meio milhão de páginas de informações colhidas por duas centenas de milhar de recenseadores que laboraram, por quatro meses, para provar que o país avançou.