Conceitos de Cultura
A perspectiva sociológica no mundo contemporâneo se caracteriza pela rica diversidade de posicionamentos teóricos e metodológicos. As obras de Norbert Elias, Anthony Giddens, Pierre Bourdieu, Bruno Latour e Zygmunt Bauman estão, certamente, entre as mais consagradas e influentes da atualidade. Julgue o seguinte item, relativo à ideias sociológicas desses autores.
 
De acordo com Zygmunt Bauman, a cultura moderna assegura plenamente a liberdade de escolha e não promove qualquer interferência coletiva no destino dos indivíduos.
Num encontro por ocasião da 12ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), Silvio de Abreu, autor de novelas da Rede Globo, falou sobre como suas obras ajudam a combater o preconceito contra homossexuais: “Ela [novela] não modifica sua cabeça, mas coloca os temas que serão discutidos, que poderão ter uma consequência maior dentro da sociedade, eu acredito. Acho inclusive que a aceitação maior do homossexual se deve muito às novelas, porque quando a gente passou a fazer isso [apresentar personagens gays na TV], passou a mostrar que não era nenhum bicho de sete cabeças”.
(Fonte: http://g1.globo.com/poparte/flip/2014/noticia/2014/08/
novelas-ajudam-gay-ser-mais-aceito-afirma-autor-silvio-de-abreu.html).
 
No que diz respeito ao funcionamento da indústria cultural, tal como entendida pelos teóricos da Escola de Frankfurt, a caracterização positiva de personagens homossexuais em novelas de uma grande emissora de televisão como a Globo pode ser entendida como:
Ao se referir ao conceito de cultura, Anthony Giddens distingue entre os significados utilizados no cotidiano e o significado sociológico. A partir do texto abaixo, assinale a alternativa correta:

“Quando, em conversas quotidianas, usamos a palavra “cultura”, pensamos muitas vezes nela como se representasse as “coisas mais elevadas do espírito” - a arte, a literatura, a música e a pintura. Quando os sociólogos usam o termo, incluem também essas atividades, mas muitas outras coisas mais. A cultura refere-se aos modos de vida dos membros de uma sociedade, ou de grupos pertencentes a essa sociedade; inclui o modo como se vestem, as suas formas de casamento e de família, os seus padrões de trabalho, cerimônias religiosas e atividades de lazer [...].
(...) A perspectiva frankfurtiana da homogeneização da cultura e do caráter ideológico de suas mensagens foi questionada pelas chamadas teorias da recepção que, a partir dos anos 1960, empreenderam estudos que relativizam o caráter manipulador da cultura, introduzindo o debate sobre certas formas de resistência. Posteriormente, vários estudiosos salientaram ainda a capacidade de os sujeitos apropriarem-se das mensagens, construírem sentidos particularizados ao consumirem as mercadorias simbólicas.

(Adaptado de: SETTON, M.G. Família, escola e mídia: um campo com novas configurações. Educação e Pesquisa, 2002, v. 28)

Os estudiosos que apresentam abordagem crítica à perspectiva frankfurtiana sobre a cultura são
(...) O conceito refuta a ideia de uma pretensa neutralidade dos meios de comunicação de massa e vem reforçar a ideia de que a cultura é algo fabricado. Onde a sociologia americana via o consumidor como sujeito do processo, a Escola de Frankfurt o vê como o objeto das grandes empresas. Os indivíduos seriam manipulados para se conformar ao papel de consumidores no mercado de bens culturais.

(Adaptado de: ORTIZ, R. A Escola de Frankfurt e a Questão da Cultura, RBCS, n. 1, vol. 1, jun. 1986)

O conceito a que se refere o excerto acima é: