Cadeia Produtiva do Rádio e TV, Políticas Públicas e afins
Uma das constatações iniciais no aspecto geográfico é o regime de informação a que estão submetidos os brasileiros. Na ampla maioria dos estados, há um número mínimo de geradoras de televisão. Onde existe uma certa diversidade, ela se limita às capitais. No interior do Brasil, os municípios contam com uma média de apenas duas ou três programações distintas. As demais redes precisam ser captadas via satélite ou por meio de retransmissoras, que em sua maioria não inserem conteúdo local por um impedimento legal.
 
Mesmo onde existe geradora, a regionalização é mínima. Em média, entre 75% e 90% da grade de programação das emissoras locais têm caráter nacional. Desta forma, o conteúdo que chega em quase a totalidade dos municípios é gerado exclusivamente em cidades paulistas ou fluminenses. Das 33 redes nacionais de TV identificadas, 24 estão sediadas no estado de São Paulo e 2, no Rio de Janeiro.

(http://donosdamidia.com.br, do coletivo Intervozes)

A democratização da comunicação demanda a existência de liberdade de expressão, pluralidade dos meios, respeito à propriedade intelectual, respeito à diversidade cultural, acesso às tecnologias de informação e comunicação (TICs) e participação da sociedade civil nas decisões sobre essas questões. Para garantir o acesso democrático ao sistema global de comunicação é necessário
A implementação da TV digital no Brasil, regulamentada pelo Decreto no 4.901, de 26 de novembro 2003, tem como alguns de seus principais objetivos:

I. promover a inclusão social, a diversidade cultural do País e a língua pátria por meio do acesso à tecnologia digital, visando à democratização da informação.

II. estimular a pesquisa e o desenvolvimento e propiciar a expansão de tecnologias brasileiras e da indústria nacional relacionadas à tecnologia de informação e comunicação.

III. incentivar o consumo da ascendente classe C, propiciando assim que esse consumo seja gerador de empregos para essa mesma classe social.

Está correto o que se afirma em
A desregulamentação do setor de comunicação, acompanhada da desestatização e da chegada de novas tecnologias impulsionou o crescimento das comunicações na América Latina entre o fim dos anos 1980 e o início dos anos 1990.

Com relação aos impactos provocados por esses processos, analise as afirmativas a seguir.

I. o aumento da presença do Estado no setor, com a expansão dos canais públicos.

II. a formação de redes regionais de TV, aumento do número de emissoras de TV e barateamento do custo dos satélites.

III. o fim dos monopólios da comunicação, com a reestruturação do mercado.

Assinale:
Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a hegemonia do ambiente político agrega valor ao estabelecimento do investimento em reciclagem técnica.
A respeito da história das comunicações no Brasil, julgue o item subsecutivo.

No Brasil, a base de assinantes de serviços digitais de TV por assinatura é superior à base de assinantes de serviços analógicos.