Aquicultura e Pesca
A aquacultura tem sido apontada como uma das alternativas para o fortalecimento socioeconômico de comunidades litorâneas, bem como para o fornecimento de alimentos de origem marinha (crustáceos, moluscos, algas), ricos em sais minerais. Embora semelhante estruturalmente às atividades agropecuárias, a aquacultura baseia-se no meio aquático e, em função disso, é sensível às variações desse ambiente, principalmente às poluições costeiras, sobretudo as originárias de derramamento de óleo. Acerca desse assunto, julgue o item subseqüente.

A aquacultura pode ter impactos negativos ao equilíbrio da biodiversidade costeira, como, por exemplo, pela introdução de novas espécies e pela propagação de doenças, o que exige, entre outras medidas, a quarentena das matrizes.
A aquacultura tem sido apontada como uma das alternativas para o fortalecimento socioeconômico de comunidades litorâneas, bem como para o fornecimento de alimentos de origem marinha (crustáceos, moluscos, algas), ricos em sais minerais. Embora semelhante estruturalmente às atividades agropecuárias, a aquacultura baseia-se no meio aquático e, em função disso, é sensível às variações desse ambiente, principalmente às poluições costeiras, sobretudo as originárias de derramamento de óleo. Acerca desse assunto, julgue o item subseqüente.

A aquacultura não gera impactos sobre os manguezais pois aproveita a característica de berçário dos mangues.
A aquacultura tem sido apontada como uma das alternativas para o fortalecimento socioeconômico de comunidades litorâneas, bem como para o fornecimento de alimentos de origem marinha (crustáceos, moluscos, algas), ricos em sais minerais. Embora semelhante estruturalmente às atividades agropecuárias, a aquacultura baseia-se no meio aquático e, em função disso, é sensível às variações desse ambiente, principalmente às poluições costeiras, sobretudo as originárias de derramamento de óleo. Acerca desse assunto, julgue o item subseqüente.

A aquacultura intensiva por meio de redes flutuantes, quando realizada em sacos ou reentrâncias no fundo de baías protegidas e relativamente confinadas, produz poluição ambiental.
O Parque Nacional da Chapada Diamantina na Bahia tem sofrido com a invasão biológica por várias espécies exóticas. Dentre as aquáticas, foram registrados no plano de manejo da unidade a presença de tucunaré, tilápia, apanhari e truta. Dentre estes, o tucunaré tem sido apontado como o mais agressivo ao ambiente, apesar de ser uma espécie bem vista pelos pescadores. Os impactos do tucunaré sobre as comunidades aquáticas estão relacionados à sua estratégia alimentar, já que se trata de um peixe
Pesca é todo ato tendente a retirar, extrair, coletar, apanhar, apreender ou capturar espécimes dos grupos dos peixes, crustáceos, moluscos e vegetais hidróbios. A pesca predatória retira do ambiente mais do que ele consegue repor.
 
São métodos de pesca:
 
I. Captura de pescado em quantidades superiores às legais.
 
II. Captura de pescados de espécies protegidas.
 
III. Captura de pescados com tamanhos inferiores aos permitidos.
 
IV. Captura de pescados em período de defeso ou piracema.
 
V. Rede de espera com malhas superiores a 90 mm em águas continentais.
 
VI. Captura através de lançamento de timbó em riachos rasos e pedregosos.
 
Desses métodos, assinale os que são considerados pesca proibida: