A Crise Final da República Liberal e o Golpe de 1964

            O embate não dizia respeito à defesa do que já ficara sepultado no passado - a economia exportadora e a sociedade agrária -, não colocava em tela de juízo a necessidade ou não da industrialização. O que estava em jogo, isto sim, eram dois estilos de desenvolvimento econômico, dois modelos de sociedade urbana de massas: de um lado, um capitalismo selvagem e plutocrático; de outro, um capitalismo domesticado pelos valores modernos da igualdade social e da participação democrática dos cidadãos, cidadãos conscientes de seus direitos, educados, verdadeiramente autônomos, politicamente ativos. Portanto, 1964 representou a imposição, pela força, de uma das formas possíveis de sociedade capitalista no Brasil.

João Manuel Cardoso de Mello e Fernando A. Novais. Capitalismo tardio e sociedade moderna. In: Lilia M. Schwarcz. História da vida privada no Brasil (4). São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 617-8 (com adaptações).

Com o auxílio do texto, julgue o item seguinte, relativo ao quadro brasileiro preexistente à ruptura institucional de 1964 e ao significado histórico desse golpe.

Infere-se do texto que seus autores defendem a tese da inevitabilidade do golpe tal como ele ocorreu, ante a inexistência de condições objetivas para o êxito do projeto reformista que o presidente João Goulart procurava liderar, fazendo das Reformas de Base a grande bandeira de seu governo.

            O embate não dizia respeito à defesa do que já ficara sepultado no passado - a economia exportadora e a sociedade agrária -, não colocava em tela de juízo a necessidade ou não da industrialização. O que estava em jogo, isto sim, eram dois estilos de desenvolvimento econômico, dois modelos de sociedade urbana de massas: de um lado, um capitalismo selvagem e plutocrático; de outro, um capitalismo domesticado pelos valores modernos da igualdade social e da participação democrática dos cidadãos, cidadãos conscientes de seus direitos, educados, verdadeiramente autônomos, politicamente ativos. Portanto, 1964 representou a imposição, pela força, de uma das formas possíveis de sociedade capitalista no Brasil.

João Manuel Cardoso de Mello e Fernando A. Novais. Capitalismo tardio e sociedade moderna. In: Lilia M. Schwarcz. História da vida privada no Brasil (4). São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 617-8 (com adaptações).

Com o auxílio do texto, julgue o item seguinte, relativo ao quadro brasileiro preexistente à ruptura institucional de 1964 e ao significado histórico desse golpe.

Enquanto, para os vitoriosos de 1964, a ruptura significou a defesa de uma democracia em risco, para outros, a queda de Jango correspondeu à vitória de um projeto que propugnava pela modernização capitalista do país pela via conservadora, disposto a adotar, caso necessário, o caminho do autoritarismo.
Pensando mais a longo prazo, o surgimento do comércio virtual nos obriga à análise dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. A nível organizacional, o fenômeno da Internet ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança da gestão inovadora da qual fazemos parte. O que temos que ter sempre em mente é que o desafiador cenário globalizado apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção das novas proposições. Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a consolidação das estruturas não pode mais se dissociar das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. O incentivo ao avanço tecnológico, assim como o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação pode nos levar a considerar a reestruturação do levantamento das variáveis envolvidas.
A nível organizacional, o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação talvez venha a ressaltar a relatividade do processo de comunicação como um todo. Do mesmo modo, a expansão dos mercados mundiais causa impacto indireto na reavaliação das condições financeiras e administrativas exigidas. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como o fenômeno da Internet não pode mais se dissociar do investimento em reciclagem técnica. O que temos que ter sempre em mente é que o comprometimento entre as equipes maximiza as possibilidades por conta de alternativas às soluções ortodoxas.
Pensando mais a longo prazo, a necessidade de renovação processual desafia a capacidade de equalização do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades.
A partir dessa época, a tortura passou a ser amplamente empregada, especialmente para obter informações de pessoas envolvidas com a luta armada. Contando com a “assessoria técnica” de militares americanos que ensinavam a torturar, grupos policiais e militares começavam a agredir no momento da prisão, invadindo casas ou locais de trabalho. A coisa piorava nas delegacias de polícia e em quartéis, onde muitas vezes havia salas de interrogatório revestidas com material isolante para evitar que os gritos dos presos fossem ouvidos.
 
(Roberto Navarro – http://mundoestranho.abril.com.br. Acesso em 24.03.2014)
 
Os aspectos citados no texto permitem identificar a época a que ele se refere como sendo a da